Informativo Vida Saudável

Aprendendo com as experiências, retomando a autoestima

178 de 179

Eloísa Helena de Oliveira Ferreira é uma dessas pessoas que a gente encontra pela vida e quer ficar conversando horas: um sorriso largo e muita vontade de viver. Se a vida tivesse uma receita, essa seria a dela.

Acima do peso e com um histórico de diabetes na família, mãe diabética e irmão usuário de insulina, ela decidiu que deveria se cuidar. Foi então que decidiu fazer parte do Núcleo de Diabetes do Laboratório Cedlab.  A briga com a balança estava fazendo com que a autoestima de Eloísa ficasse baixa e no núcleo encontrou o caminho para voltar a ser feliz com ela mesma. “Eu andava muito estressada e não estava me sentindo bem, estava acima do peso e não tinha nem vontade de sair”, desabafa.

Ela conta que já no primeiro dia se sentiu acolhida. “Me senti segura e muito amada por todos. Gostei tanto que não via a hora da quarta-feira chegar”, comenta.

No grupo, Eloísa reaprendeu a se alimentar e recebeu apoio psicológico, participava das reuniões com afinco sendo, inclusive, homenageada por cumprir as metas. “Descobri que mais importante é se alimentar bem, comer sem exagero e diminuir a gordura”, ensina ela. Com tanto aprendizado, Eloísa colocou todo mundo para comer saudável. “Não foi tão difícil, porque aqui em casa já consumimos muita fruta e verdura”, comenta.

Eloísa salienta que a principal conquista foi diminuir quatro números no manequim: de 46 para 42. “Isso foi mérito de toda equipe, mas quero fazer um agradecimento especial para o nutricionista Alessandro e para o psicólogo Jean. Eu os amo de paixão, porque me ajudaram a recuperar minha autoestima”. E olha que toda essa disciplina foi determinada pelo desejo de se cuidar mesmo e de recuperar a boa forma, porque o diabetes de Eloísa é bem controlado.

Pelos campos da vida

É isso mesmo. Eloísa é fanática por futebol. Corintiana convicta, ela é madrinha de futebol da cidade e gosta de assistir os jogos aos domingos. Coisa, que segundo ela, tinha deixado de fazer quando ainda estava acima do peso. “Dia de jogo aqui em casa, todo mundo já sabe: pego minha bandeira e torço mesmo”. Segundo ela, foi assim desde criança, quando jogava futebol na rua. Quando não está torcendo pelo time favorito, nem assistindo aos jogos aos domingos, Eloísa gosta de navegar na internet. “Estou aprendendo, mas gosto de mexer, ainda não tenho tanta habilidade ”.  Eloísa também gosta de viajar pela leitura. “Gosto muito de ler também, tiro sempre um tempo para ler bons livros”.

Alem de se dedicar à família, Eloísa também trabalha na Escola Dirce Aparecida e com 27 anos de serviço, ela nem pensa em se aposentar. “Não gosto de ficar parada, gosto do meu trabalho. Lá eu tenho meus amigos, converso com todo mundo, eu gosto disso, de ter uma ocupação”. Ela explica que tem um pouco de dificuldade com os sentimentos. “Às vezes eu blindo o coração e acabo sendo mais razão”. Ela comemora o fato de ter uma família linda, que cuida muito bem dela. “Acho que às vezes cuidam até demais, mas entendo que é porque me amam”.

E essa é a história de uma pessoa forte, que por alguma razão em algum momento da vida, descobriu como é bom ter qualidade de vida. “Eu reencontrei minha harmonia no Cedlab, a equipe é maravilhosa, jamais vou me esquecer do apoio que tive”, conclui.

Cedlab é uma palavra mágica pra mim foi lá que encontrei meu equilíbrio, minha autoestima.

Cedlab é uma palavra mágica pra mim foi lá que encontrei meu equilíbrio, minha autoestima.

 

 

Autor: Dra. Alexandra Manfredini

Diretora Laboratório CEDLAB

Menu: